Pegada Ecológica: percepção de crianças em caminhadas na natureza

Alex Elias Antun, Nelma Baldin

Resumo


O artigo tem por objetivo demonstrar o quanto crianças ficam sensibilizadas ao serem confrontadas com as marcas que deixamos no planeta. O estudo que o subsidia versa sobre a Pegada Ecológica (Ecological Footprint), e a experiência prática se dá por meio de caminhadas ecológicas com crianças de 9 a 10 anos de idade (4os e 5os anos do ensino fundamental) na cidade de Guaratuba, Paraná. A pegada ecológica foi pensada para nos ajudar a perceber o quanto de recursos da natureza utilizamos para sustentar o nosso estilo de vida. Para o estudo da percepção das crianças quanto às marcas deixadas por onde passamos aplicou-se o questionário – já validado – da Ecological Footprint e as crianças participantes foram avaliadas mediante a pontuação obtida com a somatória de cada uma das respostas dadas às questões sobre os componentes relevantes para o cálculo da pegada ecológica: a energia elétrica em casa; a energia elétrica na escola; a alimentação em casa; a alimentação na escola; a água; o consumo; o transporte e a coleta seletiva de resíduos sólidos. A pontuação final demonstra um valor bastante alto da pegada ecológica, ressaltando um consumo desenfreado e revelando a forma de viver dessas crianças. Mas, essencialmente, evidencia-se a percepção afetiva e valorativa dessas crianças ao meio ambiente. Com esse resultado, constatou-se a importância de atividades de Educação Ambiental para levar à sensibilização quanto à preservação do meio ambiente e do planeta Terra.

Palavras-chave


Percepção infantil. Educação ambiental. Pegada ecológica. Sensibilização ambiental. Saúde e qualidade de vida.

Texto completo: PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

R. Paranaense Desenv. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social, Curitiba, PR, Brasil, ISSN 2236-5567 (online) e ISSN 0556-6916 (impresso) - revista@ipardes.pr.gov.br

Indexada em:

Dialnet