O Trabalho no Setor de Informática no Paraná: reflexões sociológicas

Maria Aparecida da Cruz Bridi, Benilde Motim

Resumo


Neste artigo busca-se apresentar uma análise dos dados parciais da pesquisa em andamento sobre um dos segmentos que vêm se destacando no Paraná: a indústria da informática, um setor nuclear da chamada “nova economia”, seja por sua natureza, seja pelas possibilidades anunciadas de um “trabalho transformado”, como propõem alguns autores. As questões sociológicas suscitadas pelo segmento nos motivavam a estudar a sua dinâmica, os processos e padrões de organização do trabalho. Dada a complexidade do segmento, delimitamos como foco de análise as empresas que produzem computadores ou hardwares, o que engloba o fabrico de desktops, notebooks, tablets, servidores e outros componentes, bem como aquelas empresas ou pessoas que produzem softwares (programas de computadores). No centro dessa indústria encontram-se os trabalhadores imersos sob o signo dos novos paradigmas organizacionais: flexibilização do trabalho e das relações contratuais. A realidade do trabalho e dos trabalhadores neste segmento permite refletir criticamente sobre as teses que propugnam que rumamos para uma era de trabalho emancipado, mais feliz e livre dos constrangimentos do trabalho fordista/taylorista.


Palavras-chave


Trabalho. Setor de informática. Trabalhadores. Flexibilidade. Relações de trabalho.

Texto completo: PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

R. Paranaense Desenv. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social, Curitiba, PR, Brasil, ISSN 2236-5567 (online) e ISSN 0556-6916 (impresso) - revista@ipardes.pr.gov.br

Indexada em:

Dialnet